11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo

Sequência de aberturas e divulgação da programação oficial

SAB 28 OUT 10h

Convidamos a todas e todos para a abertura oficial da exposição da 11ª Bienal de Arquitetura, no Sesc Parque Dom Pedro II, com a mostra “Imaginário da Cidade”.
As falas inaugurais ocorrerão às 11h da manhã
Praça São Vito, s/n – Brás, São Paulo

Conheça o calendário completo com aberturas de todas as exposições:

28/10/2017
Abertura da exposição da 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo
Sesc Parque Dom Pedro II
* Esta mostra fica aberta até o fim de janeiro de 2018

29/10/2017
Abertura do Módulo Satélite da 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo no Sesc Campo Limpo. De lá ele itinerará entre outras unidades Sesc até o fim de 2017.

29/10 à 12/11/2018 – SESC Campo Limpo
Módulo Satélite: Abre 29/ outubro (domingo) – Funciona até 12/novembro (domingo)

14/11 à 03/12 – SESC Osasco
Módulo Satélite: Abre 14/novembro (terça-feira) – Funciona até 03/dezembro (domingo)

05/12 à 21/12 – SESC Itaquera
Módulo Satélite: Abre 06/dezembro (quarta-feira) – Funciona até 23/dezembro (sábado)

04/11
Abertura das Mostras da 11ª Bienal de Arquitetura nos espaços:

Vila Itororó
Praça das Artes
Biblioteca Mário de Andrade

04/11 – fim de Dezembro 2017
Abertura de mostras e atividades nos espaços parceiros da 11ª Bienal de Arquitetura (atividades específicas serão anunciadas em breve)

Casa do Povo
Ocupação 9 de Julho
Instituto Bardi/Pipa
Apartamento FICA – Fundo Imobiliário Comunitário para Aluguel
Goethe na Vila (atividades na Casa 8, na Vila Itororó)
Lanchonete

Agenda 
A 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo, Em Projeto, apresenta uma agenda contínua de atividades na cidade, até o fim do evento. Confira um resumo da programação aqui. Detalhes sobre cada atividade no site do evento. Participe!

A 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo

O título da 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo – Em Projeto – propõe discutir o lugar da arquitetura e o lugar da Bienal de Arquitetura. Sugere um evento colaborativo, em construção, em processo. Esta edição é pesquisa, arquivo e ação: materializa-se como observatório, exposição e programação contínua.

Coloca-se à arquitetura o desafio de se aproximar de outros saberes e formas de coprodução da cidade que transformam o entendimento acerca do que pode ser o desenho e o planejamento urbano. A proposta da Bienal visa à ampliação das formas de atuação do arquiteto em coletividade.

Esta edição quer falar sobre seu território. Para isso a Bienal vai ao território, do centro às bordas e das bordas ao centro, propondo trocas complementares e igualmente relevantes na produção social do espaço. Propõe reconhecer os lugares de fala de diferentes agentes a partir de suas próprias produções e destacar atitudes de arquitetos que experimentam novas formas de ação, reflexão e práticas de projeto.

Por meio do Observatório, um grande arquivo em processo – que se originou no estúdio da 11ª Bienal e foi complementado com as chamadas abertas -, constrói-se um inventário de modos de representar, mapear, qualificar, edificar, editar, usar, colaborar e ocupar a cidade. O Observatório é a base conceitual e material da exposição da Bienal. Esta se materializa como um grande arquivo que ganha formatos distintos nos locais expositivos, incluindo registros videográficos, ampliações fotográficas, mapotecas e uma série de coleções, e uma biblioteca.

A exposição acontece em uma rede de espaços oficiais, onde há uma programação fixa; em espaços parceiros, que recebem programações pontuais; e em Módulos Satélites, que articulam e dão visibilidade às ações da Bienal, atomizadas pela cidade, garantindo suporte para interação, convívio e diálogo.

A 11ª Bienal, para além de uma exposição, é um processo de pesquisa e troca fomentadas por uma programação contínua de ações por toda a cidade que permite a experiência efetiva de processos de produção do espaço.

Pensamos o resultado deste processo como um legado em dois formatos: um arquivo – inventário de formas contemporâneas de atuação da arquitetura -, e uma rede articulada de ações que, a partir da Bienal, promove resultados materiais e imateriais.

A 11ª Bienal se constitui, portanto, como uma constelação de situações que privilegia a vivência, promovida por  suas atividades, e fomenta um processo de troca de conhecimento e experiências entre pessoas na cidade. Vivemos tempos de transformação. Nesse contexto, a arquitetura busca por outras formas de colaborar e coexistir, aproximando-se de outras formas de fazer e estar, ampliando seu campo de ação.

+ informações:
Site: www.11bienaldearquitetura.org.br
Instagram: 11bienal
Facebook: 11bienaldearquitetura