cinecubo iab: “quem mora lá” e conversa com conrado ferrato e mário vieira.

CineCubo é o cineclube promovido pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil com o intuito de estimular o diálogo entre linguagens audiovisuais e arquitetônicas e debater olhares sobre a cidade. Toda terceira 3ª feira do mês às 19h30 o CineCubo exibe filmes seguidos de debate na sede do IAB-SP. Com curadoria e mediação de Nana Maiolini + Travessia Filmes + convidados, as sessões são gratuitas e abertas ao público em Geral.

Filme dirigido por César Vieira, Conrado Ferrato e Rafael Crespo. [2018 | 92min |documentário].

estabelecida sobre um túnel e ao lado de um córrego, a pequena comunidade do pocotó resiste ao avanço dos prédios no abastado bairro de boa viagem, em recife. surpreendidas por uma ordem de despejo, as famílias – que vivem no local por mais de quinze anos – se veem na iminência de ficarem sem casa. “quem mora lá” conta a história desses moradores enquanto se planejam para participar da ocupação de um prédio abandonado.
Trailer do filme:
https://vimeo.com/279604081

Contaremos com a presença de Conrado Ferrato, diretor do filme, e Mário Vieira, diretor executivo da Habitat Brasil, para conversa após a sessão.

Conrado Ferrato, diretor do documentário Quem Mora Lá formado, em jornalismo na PUC-SP, onde começou as primeiras experimentações com audiovisual e de onde nasceu o projeto do seu primeiro documentário “Limpam com Fogo”, sobre a epidemia de incêndios em favelas na cidade de São Paulo, em parceria com Rafael Crespo e César Vieira, também co-diretores de “Quem Mora Lá”, documentário sobre a ocupação Marielle Franco em Recife.

Mário Augusto Garcias Vieira, diretor executivo da Habitat para a Humanidade. Engenheiro Civil com pós-graduação em Administração de Empresas, pela Universidade Mackenzie; recebeu treinamento como consultor em mobilização de recursos no The Giving Institute (AAFRC), nos EUA em 2005. Foi diretor de operações do CDI – Comitê para Democratização da Informática por oito anos; diretor executivo do Programa Conexão (voltado para a capacitação profissional de jovens para o mercado de trabalho), por dois anos. Após 18 anos na iniciativa privada, considerou que era possível disponibilizar sua experiência profissional e pessoal para organizações no terceiro setor. Nos últimos 10 anos atuou na gestão de ONGs e desde julho de 2013 é o diretor executivo da Habitat para a Humanidade.

A Habitat para a Humanidade Brasil atua no país há mais de 25 anos. Aproximadamente 76 mil pessoas já foram atendidas pela organização social em 11 estados, na construção ou melhoria de suas casas, assim como no acesso à água em regiões de seca. Há mais de 10 anos, também trabalha em espaços democráticos para propor e incidir por políticas públicas de acesso à moradia. Além disso, a organização promove capacitações para fortalecimento de mulheres, jovens, lideranças e comunidades e, através de ações de voluntariado e mobilização, busca envolver a sociedade na luta pelo direito à cidade e à moradia adequada. A missão da organização é possibilitar, para o maior número de famílias possível, um ambiente seguro e saudável onde alcancem a força, estabilidade e autossuficiência necessárias para construir uma vida melhor. A organização não governamental, sem fins lucrativos, faz parte da rede Habitat for Humanity, presente em mais de 70 países.

A Valete de Copas Filmes é um produtora audiovisual focada em produções de impacto. Foi fundada em 2017, na cidade de São Paulo, e tem como objetivo transformar a visão do público acerca de assuntos pouco explorados pela mídia em geral. A primeira obra da produtora é o premiado documentário Limpam com Fogo, que investiga a relação de incêndios em favelas de São Paulo com a especulação imobiliária. O filme recebeu cinco prêmios no Brasil, entre eles de Melhor Filme e Melhor Longa-Metragem. No segundo semestre de 2018 está com sessões agendadas em festivais de cinema na Europa.

A Taturana é uma distribuidora de filmes com foco em impacto social. Fundada em 2013, atua em circuitos comerciais e não comerciais com o objetivo de democratizar o acesso ao cinema e potencializá-lo como ferramenta de impacto e engajamento social. Desde então, vem distribuindo filmes independentes em circuitos alternativos por meio de uma rede de parceiros exibidores (como universidades, escolas, centros culturais e cineclubes).

Primeiro andar do IABsp
[entrada franca]