cinecubo

 

Cinecubo é o cineclube promovido pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento de São Paulo com o intuito de estimular o diálogo entre linguagens audiovisuais e arquitetônicas e debater olhares sobre a cidade. Toda terceira 3ª feira do mês às 19h30 o Cinecubo exibe filmes seguidos de debate na sede do IABsp. Com curadoria e mediação de Nana Maiolini + Travessia Filmes + convidados, as sessões são gratuitas e abertas ao público em geral.

Para’í conta a história da Pará, uma menina indígena Guarani que, por acaso, encontra um milho guarani tradicional, que nunca viu e se encanta com a beleza das sementes coloridas. Por meio da busca de plantar as sementes de milho, Pará começa a questionar seu lugar no mundo; quem é ela? Por que ela fala português e não a língua indígena guarani? Por que ela é diferente de seus colegas de escola? Por que o pai dela frequenta a igreja cristã? Por que eles moram em uma vila tão perto da cidade?

Pará é uma criança que coloca a ideia de ver nascer a semente de milho. Mesmo com todas as dificuldades, ela encontra dentro de si a força de resistir, semear e crescer.

A história foi desenvolvida ao longo de dois anos através de oficinas com um grupo do povo indígena Guarani-Mbya. O início da história foi criado a partir de um elemento tradicional e maravilhoso: o milho colorido. A partir daí dramaturgia foi desenvolvida incorporando os eventos reais que estavam acontecendo na época em que o roteiro era escrito.

A terra indígena do Jaraguá, onde o filme foi realizado, é a menor terra indígena do Brasil, e fica em São Paulo, a maior cidade da América Latina. As aldeias ficam próximas à área urbana da cidade, um local de imensa vulnerabilidade social. Enquanto o governo nega a demarcação de suas terras, a comunidade permanece numa situação grave de confinamento, o que os impede de plantar e buscar seus remédios sagrados na floresta.

O filme é um instrumento forte na luta pelo território Guarani. Ele fala sobre uma questão social através da poesia do olhar de uma criança. Pará só quer plantar o milho colorido que encontrou. É através desse encantamento que a personagem e o espectador entenderão mais o universo das aldeias e a cultura Guarani. A história é simples e universal, mas a mensagem é profunda, fazendo de Para’í um filme essencial.

___

Para’í |SP|80min|2018

Equipe e elenco
Pará – Monique Ramos Ara Poty Mattos
Silmara – Samara Ramos Ara Poty Mattos
José – Lucas Augusto Martim
Itaju – Regiane Dina de Oliveira Santos
Xamoi – Hortêncio Karai Tataendy
Kerexu – Sônia Barbosa Ara Mirim
Director – Vinicius Toro
Executive Producer – Bruno Cucio
DoP – Cris Lyra
Art Director – Maíra Mesquita
Editor – Victor Fisch

Festivais: Festivais no Exterior: 9 Vittorio Veneto Film Festival (infantil), 67 Mannhein Heidelberg Film Festival (international newcomer discover), CineKid Festival 2018 (Amsterdam), Festival de cine y derechos humanos Barcelona, 34 Festival Internacional de Cine em Guadalajara, 59 Festival Internacional de Cine de Cartagena de Indias, XII Seattle Latino Film Festival.

Prêmios no exterior: 26 International Children Festival, Schwäbisch Gmünd/Stuttgart) –  first prize of the critics jury.

Festivais no Brasil: 51 Festival de Cinema de Brasília (abertura da Mostra Territórios Indígenas e Festivalzinho), 20 Festival Internacional do Rio (Mostra Novos Rumos), 9 Festival Pachamama do Acre (Mostra Filmes de Fronteira), 22 Festival de Tiradentes (Cinema na Praça)

Prêmios no Brasil: Melhor filme brasileiro no Festival de Cinema de Alter do Chão; Festival Favera Goiânia 2018 – Melhor Filme, Melhor Roteiro e Melhor Atriz

Teremos um debate com diretor, equipe do filme e lideranças Guarani após a sessão.

terça-feira
19 de novembro
às 19h30
rua bento freita, 306 – 1º andar
[entrada franca]

realização: