comissão Julgadora premiação iabsp 2019

CATEGORIA EDIFICAÇÕES

Residencial Unifamiliar

cesar shundi Iwamizu
arquiteto e urbanista formado pela faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo em 1999, mestre pela fauusp com a pesquisa “a estação rodoviária de jaú e a dimensão urbana da arquitetura” em 2008, doutor pela fauusp com a tese “eduardo de almeida, reflexões sobre estratégias de projeto e ensino” em 2015. entre 2000 e 2007, foi sócio-fundador do escritório estúdio 6. professor de projeto de arquitetura na escola da cidade (2005 – 2014), fau usp (2016 – 2017), senac (2015 – 2018) e fau mackenzie (a partir de 2018). atualmente também é coordenador da disciplina estúdio vertical da escola da cidade.
ciro pirondi
arquiteto formado pela universidade braz cubas (1980), com doutorado pela universidad politecnica de barcelona – escuela técnica superior de arquitectura (1982). diretor da escola da cidade desde 2002, proprietário do escritório ciro pirondi arquitetos associados s/s ltda, desde 1983. diretor executivo da casa de lucio costa, diretor executivo da fundação oscar niemeyer. autor de uma série de obras arquitetônicas destacadas no brasil, como concurso renovasp. área cabuçu de baixo 12 – em conjunto com ruben otero – 1º prêmio (sp, 2011); concurso nacional sesc glória, vitória – 1º prêmio – em conjunto com sheila basílio (es, 2007); e estádio de futebol estadual kleber andrade, cariacica – em conjunto com sheila basílio (es, 2008).
sol camacho
arquiteta e urbanista, formada em harvard gsd (2008). é diretora cultural do instituto lina bo e pietro maria bardi / casa de vidro. gerencia o arquivo de bardi e o programa cultural da casa de vidro. foi curadora da exposição internacional “casas de vidro” e “jardim de lina: uma construção paisagística em andamento” (2017). é o sócia-fundadora do escritório de arquitetura raddar em são paulo (2011), que recebeu recentemente o prêmio silver lafarge holcim na américa latina (2017). foi selecionada como candidata à rolex mentor e protégé arts initiative (2016) e recebeu duas vezes a bolsa de pesquisa da fonca (2012, 2014). foi curadora do pavilhão brasileiro na 16ª exposição internacional de arquitetura da bienal de veneza.


Residencial Multifamiliar e uso Misto

lucas fehr
graduado em arquitetura e urbanismo pela universidade de são paulo (1987). mestre (1999) e doutor (2010) em arquitetura e urbanismo pela mesma universidade. desde agosto de 2016 é coordenador do curso de arquitetura de urbanismo da universidade presbiteriana mackenzie, onde é professor, pesquisador e coordenou, de 2005 a 2016 o mosaico – escritório modelo de arquitetura e urbanismo. arquiteto sócio do estúdio américa de arquitetura. co-autor dos projetos vencedores em concursos de arquitetura para o teatro castro alves, em salvador, ba; complexo paineiras-corcovado, no rio de janeiro; novas tipologias de habitação de interesse social sustentáveis, cdhu-sp, ponte nova, em blumenau, sc; museo de la memoria, em santiago do chile, obra premiada, entre outros, pela apca – associação paulista de críticos de arte em 2011.
marcela alonso ferreira
arquiteta e urbanista graduada na universidade de são paulo e mestre em gestão e políticas públicas pela fundação getúlio vargas. integra a diretoria do instituto de arquitetos do brasil – departamento de são paulo.
renata semin
desde 1982 desenvolve atividades profissionais e a partir de 1984 estabelece a empresa piratininga arquitetos associados juntamente com outros socios arquitetos. foi responsável pela condução técnica de projetos relevantes e merecedores de prêmios como o projeto da biblioteca central e faculdade de fisioterapia – campus ii da puc campinas e restauro e modernização da biblioteca municipal mario de andrade, ceu são miguel paulista, unidade tecnico-administrativa fleury sa, laboratórios de bionanomanufatura do ipt-usp em são paulo, ampliação do instituto tecnologico de aeronautica – ita em são josé dos campos e de projetos para regeneração urbana, principalmente em áreas centrais de grandes centros urbanos, como campinas/ são paulo, fortaleza/ ceará, são paulo/ são paulo, são luís/ maranhão. em são paulo dedica-se a projetos urbanos como as diretrizes para o eixo platina no baiiro do tatuapé, os planos e projetos urbanos para a agencia casa paulista da secretaria estadual de habitação focalizados no tema de habitação de interesse social na área central do município de são paulo, para a prefeitura de são paulo – projetos como arco tietê e complexo do anhembi e projetos de habitação de interesse social.

 

Habitação de Interesse Social

joão sodré
arquiteto e urbanista formado pela faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo (2005). mestre e doutor pela mesma instituição, na área de concentração de história e fundamentos da arquitetura e do urbanismo, com a dissertação arquitetura e viagens de formação pelo brasil, 1938-1962 (2010) e a tese roteiros americanos: as viagens de mindlin e artigas pelos estados unidos, 1943-1947 (2016). professor da faculdade armando alvares penteado (faap) e da escola da cidade (ec) dirigiu os documentários elevado 3.5, filme vencedor do 12º festival “é tudo verdade / it’s all true” (2007), e pmr 29’: vinte e nove minutos com paulo mendes da rocha (2010). é sócio do grupo sp, escritório que dirige com alvaro puntoni desde 2004.
maíra fernandes silva
arquiteta e urbanista graduada pela faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo, fau-usp, em 2012. atualmente mestranda em planejamento urbano e regional pelo instituto de pesquisa em planejamento urbano e regional, ippur-ufrj. atuou profissionalmente na secretaria municipal de desenvolvimento urbano da prefeitura de são paulo (smdu-sp).  anteriormente trabalhou junto da secretaria de habitação da prefeitura de são paulo, sehab-pmsp, com projetos de urbanização de favela e regularização fundiária. participou de projeto urbano elaborado com moradores da ocupação esperança em osasco. e também organizou oficinas para crianças junto ao ponto de cultura são mateus em movimento. fez parte do grupo metrópole fluvial, pertencente ao laboratório de projetos da fau-usp, o labproj. coordenado pelo prof. dr. alexandre delijaicov.
rafael borges pereira
graduado em arquitetura e urbanismo pela universidade de são paulo (2019) e mestre pela mesma instituição com pesquisa na área de movimentos de moradia, sob orientação da professora ermínia maricato (2017).desenvolveu pesquisas junto ao laboratório de habitação e assentamentos humanos da faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo/labhab fauusp (2009-2012). é conselheiro do cmh – conselho municipal de habitação de são paulo, segmento sociedade-civil (2016-2018), posição que já tinha ocupado na gestão 2014-2016. tem experiência na área de arquitetura e urbanismo, com ênfase em projetos de habitação de interesse social, urbanização e regularização fundiárias de assentamentos precários e assessoria técnica a movimentos populares urbanos e rurais.

 

Comercial e Industrial

edson jorge elito
arquiteto fau universidade mackenzie, são paulo, 1971. sócio do escritório elito arquitetos associados desde 1998. diretor financeiro da direção nacional do iab, gestões 1989/91 e 2006/07. conselheiro do cosu do iab de 1989 a 2007 e de 2015 à presente data. ex-secretário geral e ex-vice-presidente do iabsp. principais projetos: teatro oficina, co-autoria com lina bo bardi; teatro do colégio santa cruz, co-autoria com j.c. serroni e gustavo lanfranchi; programa habitacional paraisópolis, co-autoria com joana fernandes elito e cristiane otsuka takiy; sesc santo amaro, co-autoria com joana fernandes elito e cristiane otsuka takiy; restauro e ampliação da escola municipal de astrofísica co-autoria com joana fernandes elito e cristiane otsuka takiy; programa habitacional guarapiranga, sp, co-autoria com abrahão sanovicz, joão honório de mello filho e marcos carrilho. principais prêmios: medalha de ouro na quadrienal de praga, 1999, projetos do teatro oficina e teatro do colégio santa cruz; prêmio edifícios culturais – teatro da premiação iabsp-2002 – teatro do colégio santa cruz; prêmio destaque melhores da arquitetura – 2010, escola municipal de astrofísica; prêmio mundial habitat social y desarrollo da bienal de arquitetura de quito – 2010, programa habitacional paraisópolis.

 

marina acayaba
graduada pela fau usp em 2006 e mestre pela mesma instituição em 2019 com a dissertação: estratégias de projeto: estudo de três casas contemporâneas. foi professora assistente de projeto na escola da cidade durante os anos de 2009 e 2013.colaborou no brasil com os escritórios marcos acayaba arquitetos, mmbb arquitetos, isay weinfeld arquitetos; em lisboa com o escritório aires mateus arquitetos associados e em tokyo com o escritório sanaa. desde de 2008 é sócia do ar arquitetos. recebeu os prêmios obra do ano na 55º premiação anual do iab-rj 2017 com edifício camburiu, o  prêmio  iab-sp biênio 2009/2010 com a casa itatiba,  prêmio akzonobel 2014, 2015 e 2017 com a casa dos pátios, o atelier aberto, e o vazio;  10º prêmio jovens arquitetos 2011 com o edifício camburiu, prêmio “o melhor da arquitetura” 2008 e 2010 com a casa cubo e o atelier aberto.  integrou a 8º, 9º e 12º  bienal de são paulo e a bal bienal de arquitectura latinoamerica 2015.
mario biselli
estudou na faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade mackenzie onde se formou em 1985. em 2000 obteve sua titulação de mestre e em 2014 o título de doutor, ambos em arquitetura e urbanismo, pela mesma instituição. acreditando que a prática da arquitetura deve estar sempre permeada pela reflexão acadêmica inicia, a partir de 1992, sua carreira como professor do departamento de projeto da faculdade de belas artes de são paulo e a partir de 1999 integra o corpo de professores do departamento de projeto na faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade mackenzie.

 

Cultural e Institucional

luiz antonio de souza
bacharel em arquitetura e urbanismo pela ufba, especialista em planejamento físico e arquitetura rural, pela universidade federal do ceará, mestre em planejamento urbano e regional pela universidade federal do rio grande do sul, doutor em arquitetura e urbanismo pelo programa de pós-graduação em arquitetura e urbanismo da universidade federal da bahia, atualmente é professor adjunto ii da universidade do estado da bahia – uneb e professor colaborador do programa de pós-graduação em arquitetura e urbanismo da ppg-au/ufba. membro do grupo de pesquisa laboratório urbano: experiências metodológicas para compreensão da complexidade da cidade contemporânea ppg-au/ufba, possui experiência na área de Arquitetura e Urbanismo com ênfase em urbanismo, urbanismo de litoral, planejamento urbano e regional, desenho urbano, cidade de Salvador e cultura negra, foi Júri de várias premiações nacionais de arquitetura. 
pedro tuma
formou-se em 2004 pela faculdade de arquitetura e urbanismo mackenzie, atualmente cursa mestrado na área de projeto de arquitetura da fau-usp e é professor assistente na escola da cidade. desde 2006 é sócio do escritório terra e tuma arquitetos associados com danilo terra, fernanda sakano e juliana terra. ao longo de sua trajetória, o escritório já teve projetos reconhecidos e expostos nas bienais de veneza [2010 e 2016], roterdã [2012], panamericana de quito [2014], iberoamericana [2016] e chile [2017]. participou das exposições casas paulistas: 2000 – 2017 | escola da cidade [2019], experimentando le corbusier | museu da casa brasileira [2018], como se pronuncia design em português: brasil | museu do design e moda de lisboa [2017], cartas ao prefeito: são paulo [2016], instituto tomie ohtake [2015 e 2016], urbanização de favelas e assentamentos precários | ufabc [2014], são paulo cidade informal aos novos bairros | museu da casa brasileira [2012].
sabrina fontenele
arquiteta e urbanista pela universidade federal do ceará (ufc), com mestrado e doutorado pela fau-usp. finalizou em 2019 o pós-doutorado no ifch-unicamp onde desenvolveu uma pesquisa sobre habitação, gênero e modernidade com apoio da fapesp. autora dos livros “edifícios modernos e o traçado urbano no centro de são paulo” (2015) e “restauro da faculdade de medicina da usp: estudos, projetos e resultados” (2013). foi coordenadora do eixo “construções, conjuntos e sítios” do centro de preservação cultural da usp, onde atuou ainda como editora científica da revista cpc e como curadora da exposição tempo das construções (2013-2014). foi conselheira representante do iab no conpresp em 2017. colabora desde 2018 como professora na escola da cidade.

 

Restauro e Requalificação

danielle c. dias de santana
arquiteta e urbanista formada pela escola da cidade (2013), com formação em gestão de bens culturais pelo centro lucio costa iphan/unesco (2017). atuou como técnica de restauro e arquiteta no departamento do patrimônio histórico da cidade de são paulo, entre 2012 e 2014. ocupando o cargo de secretária executiva do conpresp (conselho municipal de preservação do patrimônio histórico, cultural e ambiental da cidade de são paulo), órgão responsável pelo tombamento de bens culturais, naturais e históricos na cidade de são paulo, entre 2014 e 2018. responsável pela organização geral do guia de bens culturais da cidade de são paulo, publicado em 2012 pela secretaria municipal de cultura. tem experiência na formulação e regulamentação de políticas públicas de patrimônio cultural, como a operacionalização do fundo de proteção do patrimônio cultural e ambiental paulistano, criação da zepec-apc (área de proteção cultural), entre outros.pesquisadora do laboratório de patrimônio cultural e cidades contemporâneas – lapa/prourb e membra da association of critical heritage studies – achs. atualmente é mestranda do programa de pós-graduação em urbanismo – prourb/ufrj. 
josé lira
é formado em arquitetura e urbanismo (ufpe, 1989) e em filosofia (usp, 1999); é doutor pela fau-usp e livre-docente pela mesma instituição. realizou pesquisas de pós-doutorado na graduate school of architecture, planning and preservation em columbia university (2009) e na école nationale supérieure d’architecture de paris-malaquais (2015). foi professor no departamento de arquitetura e urbanismo da escola de engenharia de são carlos (1998-2003). desde então leciona na fau-usp, onde atua como professor nos cursos de graduação e pós-graduação, e no laboratório de fundamentos da arquitetura e do urbanismo. dirigiu, entre 2010 e 2014, o centro de preservação cultural da universidade de são paulo (cpc-usp). é consultor ad-hoc do cnpq e da e fapesp, editor da revista brasileira de estudos urbanos e regionais, da anpur, editou a revista cpc e integra o conselho editorial da revista risco (iau-usp). é autor de “o visível e o invisível na arquitetura brasileira” (dba, 2017), “warchavchik: fraturas da vanguarda” (cosac & naify, 2011), organizador da quarta edição do livro “caminhos da arquitetura”, de vilanova artigas (cosac & naify, 2004, com rosa artigas). 
nivaldo andrade
arquiteto e urbanista, mestre e doutor em arquitetura e urbanismo pela ufba, onde é atualmente professor na graduação, mestrado e doutorado. publicou dezenas de artigos e ensaios e proferiu palestras sobre diversos temas nas áreas de arquitetura, urbanismo e patrimônio cultural em todo o brasil e em diversos países. tem atuado na elaboração de projetos de arquitetura e de espaços urbanos, bem como de planos urbanísticos. dentre as premiações recebidas, destacam-se: 1º lugar no prêmio caixa-iab 2006 – concurso nacional de ideias e soluções para a habitação social no brasil; 3º lugar no 1º prêmio de arquitetura akzo nobel para obras construídas de jovens arquitetos brasileiros; e menções honrosas no prêmio capes de tese 2013 e no prêmio anparq de tese 2014. é presidente nacional do instituto de arquitetos do brasil (iab) e membro do conselho consultivo do patrimônio cultural (iphan). foi secretário executivo da federación panamericana de asociaciones de arquitectos (fpaa).

 

Arquitetura de Interiores

michele wharton
atua na área de arquitetura, construção e decoração há 17 anos, elaborando projetos de arquitetura e interiores, gerenciando e fiscalizando a execução de obras, desenvolvendo cenografias, mobiliários e produtos de design.graduada na faculdade belas artes de são paulo em 2002 teve grande experiência profissional na gerenciadora de obras bw engenharia e em 2004 abre o studio mw arquitetura e design. elaborando projetos, construções e reformas em edificações residenciais e comerciais com estilos que passam do rústico ao moderno e contemporâneo permeando uma arquitetura afetiva que reflete o gosto e personalidade estudada do cliente. em 2015 apaixonada pelo universo do design lança sua primeira linha de almofadas com aplicação de molas, bordados costurados a mão pelas indias gunas do panamá, pais do qual é conterrânea que a inspirou a criar sua marca de slow fashion e design.
tania eustaquio
formada pela fau fb em 1983, iniciou sua carreira no escritório de arquitetura de aurélio martinez flores, desenvolvendo projetos de arquitetura e interiores. em 90 abriu seu próprio escritório, tania eustaquio arquitetura, desenvolvendo projetos comerciais e residenciais: lojas, escritórios, studios, restaurantes, projetos de casas, apartamentos e interiores.a busca da limpeza de linhas e materiais, a preservação de espaços e iluminação ditam os projetos atemporais desenvolvidos pelo escritório.



CATEGORIA URBANISMO

Desenho Urbano e Arquitetura da Paisagem

beatriz rodrigues andrade
é arquiteta e urbanista com mais de 6 anos de experiência e, no último ano passou a fazer parte da equipe da iniciativa bloomberg para segurança viária global (bigrs) em fortaleza. beatriz trabalha junto à secretaria de conservação e serviços públicos na área de ruas seguras como coordenadora de desenho urbano da iniciativa bloomberg. anteriormente, beatriz trabalhou na prefeitura de fortaleza como planejadora de transportes onde desenvolveu projetos de ruas seguras para usuários vulneráveis, como infraestrutura cicloviária e áreas de trânsito calmo, e acompanhou implantação e operação sistemas de bicicletas compartilhadas. ela também tem experiência como professora de planejamento urbano e projeto urbanístico, e terminou o mestrado em 2016 em planejamento de transportes na universidade federal do ceará.
luciana bongiovanni martins schenk
professora doutora no instituto de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo, (iau – usp). professora do programa de pós graduação, iau – usp. presidente nacional da abap, associação brasileira de arquitetos paisagistas, gestão 2018-2020. graduação em arquitetura e urbanismo, fau-usp (1990). graduação em filosofia fflch- usp (2001). mestrado em arquitetura e urbanismo pela fau-usp (1997). doutorado em arquitetura e urbanismo ppgau da eesc-usp(2008). líder conjunta grupo de pesquisa yby – estudos fundiários, políticas urbanas, produção do espaço e da paisagem, (iau usp). coordenadora do gtpu, grupo de trabalho de planejamento dos parques urbanos de são carlos; colaboradora da rede quapá-sel, quadro do paisagismo no brasil.
maria luiza de barros
arquiteta urbanista, com mestrado em geografia pela universidade federal do espírito santo (ppgg/ufes). atua como urbanista e pesquisadora na área da teoria e história do urbanismo e geografia humana. integrante e co-criadora da terra preta, coletiva multiterritorial e interseccional que visa ampliar narrativas e práticas para des-embranquecer a cidade. coordenadora de pesquisa e co-criadora do cidade quintal, laboratório de práticas urbanas. atualmente em são paulo (sp), atua na área de pesquisa etnográfica, criação de conteúdos e planejamento estratégico. dentre as últimas pesquisas estão “do ponto à trama: cosmopolítica afro-brasileira dos territórios”, na qual tece questões acerca da teoria crítica do urbanismo, do planejamento urbano e da produção de territórios por meio do grupos religiosos afro-brasileiros, e, “entre rasgos e costuras – o que faz seguir”, na qual apresenta proposições prático-teóricas decoloniais dialogando com a produção artística e cartográfica.
raissa monteiro
arquiteta e urbanista formada pela universidade federal da paraíba, com passagem pelo instituto nacional de ciências aplicadas de strasbourg, frança (insa strasbourg). mestra magna cum laude em assentamentos humanos pela universidade católica de leuven, bélgica (ku leuven). atuou profissionalmente na diretoria de planejamento da secretaria municipal de habitação de joão pessoa (diplan/semhab-pmjp) e no instituto de patrimônio histórico e artístico do estado da paraíba (iphaep). hoje é coordenadora de planejamento territorial na secretaria de planejamento do município de conde/pb, onde integrou a banca julgadora do concurso nacional de projeto para a reurbanização da área central de conde (2018) e do concurso nacional de projeto para a unidade básica de saúde do gurugi (2019).

 

Planejamento Urbano

lisandra mara
mestre em arquitetura e urbanismo pela ufmg, arquiteta e urbanista pela puc minas e técnica em edificações pelo cefet-mg. possui atuação profissional na área de políticas públicas de habitação desde 2011. aprovada em primeiro lugar em concurso público, é arquiteta da diretoria de habitação e regularização da companhia urbanizadora e de habitação de belo horizonte (urbel) desde 2013. integra a equipe de parcelamento do solo e titulação, o grupo técnico pró alternativas e diversificação da provisão habitacional da política municipal de habitação (instituído pela portaria urbel nº036/2017), representa a empresa no conselho municipal de promoção da igualdade racial (compir) e no conselho municipal de política urbana (compur). ativista em lutas pelo direito à moradia e à cidade, é membro do coletivo habite a política. como pesquisadora, colabora com o grupo de pesquisa praxis (práticas sociais no espaço urbano) vinculado à escola de arquitetura e design da ufmg.
raquel rolnik
urbanista e arquiteta, é professora titular da faculdade de arquitetura e urbanismo da usp. foi diretora de planejamento da secretaria municipal de planejamento de são paulo (1989-92), secretária nacional de programas urbanos do ministério das cidades (2003-07) e consultora de cidades brasileiras e latinoamericanas. de 2008 a 2014 foi relatora especial da onu para o direito à moradia adequada. atuou como colunista de urbanismo da rádio cbn-sp, band news fm e rádio nacional, e do jornal folha de s.paulo,  mantendo hoje coluna na rádio usp, uol e em sua página raquelrolnik. é autora, entre outros, de a cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de são paulo (studio nobel, 1997), guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças (boitempo, 2016) e territórios em conflito – são paulo: espaço, história e política.
tainá de paula
é arquiteta e urbanista, ativista das lutas urbanas, especialista patrimônio cultura pela fiocruz e mestre em urbanismo pela ufrj. é membra da comissão de gênero do cau-rj e atualmente é coordenadora regional do projeto brasil cidades. é conselheira do centro de defesa e direitos humanos da fundação bento rubião e da ong rede nami. representante no brasil do bissexual resource center. integra os coletivos #partida feminista e intelectuais negras zacimba gaba.

 

CATEGORIA ATIVISMO URBANO

joice berth
é arquiteta e urbanista, pós-graduada em direito urbanístico pela pucmg pesquisadora sobre questões raciais e gênero, colunista do portal justificando e do site nó de oito. autora do livro o que é empoderamento da coleção feminismos plurais.
juliana borges
escritora e pesquisadora. foi secretaria adjunta de políticas para as mulheres e assessora especial da secretaria do governo municipal da prefeitura de são paulo (2013-2016). estuda sociologia e política. é consultora na área de estudos da violência. é colunista do justificando, boitempo, fundação perseu abramo e revista fórum. foi articuladora política da iniciativa negra por uma nova política sobre drogas (innpd). autora do livro “encarceramento em massa”, da coleção feminismos plurais (selo sueli carneiro/pólen livros).
renan quinalha
professor de direito da unifesp, advogado e ativista no campo dos direitos humanos. professor visitante na unicamp (2018). foi assessor jurídico da comissão da verdade do estado de são paulo e consultor da comissão nacional da verdade para assuntos de gênero e sexualidade. foi visiting research fellow no watson institute da universidade de brown. publicou o livro “justiça de transição: contornos do conceito” (expressão popular, 2013) e co-organizou as obras “ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade” (edufscar, 2014) e “história do movimento lgbt no brasil” (alameda, 2018).
tulio custódio
é sócio e curador de conhecimento da inesplorato, e sociólogo.

 

CATEGORIA ARQUITETURA EFÊMERA

fabiane carneiro
arquiteta, urbanista e artista. integra a atual gestão do iab/sp – instituto de arquitetos do brasil/departamento são paulo (2017-2019) e é co-fundadora e integrante do coletivo cartográfico (desde 2011). fabiane é graduada em arquitetura e urbanismo pela universidade federal do paraná (1996), pós-graduada pela fau – universidade presbiteriana mackenzie (2008) e pela fupam-usp (2011) e mestranda do programa de pós-graduação interunidades em estética e história da arte (pgeha) da universidade de são paulo. tem experiência na área de arquitetura e urbanismo, com ênfase em projetos urbanos, e na área de artes, com ênfase em dança contemporânea e performance. pesquisa a cidade na interface com a dança, a performance e as artes visuais.
pedro rossi
mestre em teoria e história da arquitetura pela escola técnica superior de arquitetura de barcelona (etsab), pedro rossi é docente e coordenador do curso de arquitetura e urbanismo do instituto de educação superior da paraíba (iesp), onde criou e coordenou a pós-graduação em design e arquitetura de espaços efêmeros (pós daee). trabalhou na elaboração de projetos de requalificação urbana de centros históricos e de equipamentos públicos frente à divisão técnica do espaço público da área metropolitana de barcelona (amb). atuou como pesquisador na área do patrimônio cultural e foi coordenador adjunto da comissão permanente para o desenvolvimento do centro histórico de joão pessoa, do instituto do patrimônio histórico e artístico do estado da paraíba (iphaep). desde 2014 é membro da diretoria do instituto de arquitetos do brasil na paraíba (iab.pb). foi secretário geral durante a gestão 2014-2016 e, hoje, preside o instituto durante o triênio 2017-2019.
vítor barbosa pena elias
é fundador e colaborador do coletivo goma oficina que atua com práticas transdisciplinares desde 2010. possui graduação em arquitetura e urbanismo pela escola da cidade – faculdade de arquitetura e urbanismo (2011), mestrado em habitação (tce) pelo instituto de pesquisas tecnológicas (ipt) (2018).

 

CATEGORIA MATERIALIDADES

Estrutura Mista

anália maria marinho de carvalho amorim
graduada em arquitetura e urbanismo pela universidade federal de pernambuco (1983). mestre em arquitetura e urbanismo pela escola de engenharia de são carlos da universidade de são paulo (1993). doutora em arquitetura e urbanismo pela faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo (1998). atualmente é professora da escola da cidade e professora da faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo. tem experiência na área de arquitetura e urbanismo, com ênfase em planejamento e projetos da edificação, atuando principalmente nos seguintes temas: arquitetura, urbanismo, projeto arquitetônico, desenho urbano e ensino. mantém atividades de projeto no seu escritório desde 1984. desde 1996 é presidente da associação escola da cidade – faculdade de arquitetura e urbanismo, mantenedora do núcleo escola da cidade e demais núcleos.
guido otero
mestrando na área de planejamento urbano e regional do programa de pós-graduação da fauusp. sócio-diretor do escritório de arquitetura goaa – gusmão otero arquitetos associados. possui graduação em arquitetura e urbanismo pela faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo fauusp (2013). atualmente é diretor do instituto de arquitetos do brasil – iabsp – e representante do iabsp na comissão executiva da operação urbana centro da pmsp.
marcelo consiglio barbosa
formou-se em arquitetura pela universidade presbiteriana mackenzie, são paulo (1984), lecionou em várias faculdades de arquitetura, trabalhou com os arquitetos hector vigliecca, siegbert zanettini, carlos bratke. participou de vários concursos de arquitetura como co-autor com jupira corbucci, vencendo o da nova sede do conselho regional de contabilidade (1º prêmio – 1991), das novas estações de transferência do sistema de transporte urbano de são paulo (1º prêmio – 2004), do novo aeroporto de florianópolis (2º lugar – 2004), da nova sede da petrobrás em vitória (3º lugar em 2005), pmi arco tietê/pmsp (1º lugar entre os finalistas em 2014), concurso de habitação estudantil unifesp/osasco (menção honrosa em 2015) e concurso de habitação social água branca/pmsp (menção honrosa em 2015). mestre em arquitetura e urbanismo em “projeto das edificações” pela fau-usp, são paulo em 2002 e doutor em arquitetura e urbanismo com a tese “heep, um arquiteto moderno” pela universidade presbiteriana mackenzie, são paulo em 2012. é professor da fau mackenzie em projeto no 9º e 10º semestres, orientando o trabalho final de graduação (desde 2005), conselheiro suplente do cau/sp (desde 2018) e sócio diretor do escritório bacco arquitetos associados (desde 1992), onde finalizaram o projeto de ampliação e reforma e acompanharam a obra do aeroporto internacional tancredo neves em confins/mg (2017).


Estrutura em Madeira

ana belizário
bruno lima
é arquiteto urbanista (escola da cidade/2007). criador, diretor e professor da rede de escolas de design e prototipagem lab74. trabalhou como arquiteto colaborador da escola de samba vai vai (2008-2011) na cidade de são paulo e fundação vale (2011 – 2013) nas cidades mineiras de diamantina, ouro preto, congonhas e brumadinho onde foi arquiteto responsável pela obra da estação conhecimento, complexo educacional e esportivo de mais de 60.000m2. foi professor assistente de planejamento urbano na escola da cidade (2011 – 2013) e atualmente é professor da pós-graduação no ied –sp. atua também como consultor para diversas empresas e instituições do segmento moveleiro, madeira e educação.
marcelo aflalo
graduação – 1974 – 1978, universidade de são paulo /fau usp arquitetura e urbanismo, mestrado – 1983 – 1985, the school of the art institute of chicago – design e comunicação visual, doutorado – 2016 – em curso – universidade de são paulo. arquitetura em madeira, professor da faap, fundação armando alvares penteado (1998, atualmente), – graduação – comunicação visual, projetos de graduação. pós-graduação em arquitetura em madeira. coordenador, 1994 – 2005 – associação de designer gráfico – diretor, 1998 – 2006 – assessor do cnic, ministério da cultura, brasília, 1987 – presente. univers design, 2017 – presente. núcleo da madeira – centro de referência em tecnologia da madeira.
marcos acayaba
diplomado em 1969 e doutor em 2005 pela fauusp, onde foi professor de projeto de 1972 a 2014.conselheiro superior pelo iab-sp, cosu 2014-16, 2017-19. principais projetos e obras: pavilhão pindorama (1985); vila butantã (2004); fde – escola estadual jd. bela vista, mogi das cruzes (2005); sehab-conjunto ponte dos remédios 2011, e as residências milan (1975), olga (1990), baeta (1993) e acayaba (1997). recebeu os prêmios cubo de bronze na bienal internacional de buenos aires (1985), na premiação nacional iab (1991), na bienal internacional de arquitetura de são paulo (1993-destaque da obra), da bienal internacional de arquitetura de são paulo (1997-grande prêmio ex-aequo), e o prêmio fundação vilanova artigas (1991). é autor do livro “marcos acayaba” publicado pela editora cosacnaify em 2007

 

CATEGORIA PUBLICAÇÃO DE ARQUITETURA E URBANISMO

francesca angiolillo
formou-se em arquitetura, mas não exerceu a profissão. trabalhou no jornal folha de são paulo e nas editoras instituto moreira salles e bei. em setembro de 2017, estreou na literatura com os volumes de poesia rua lisboa e etiópia, lançados simultaneamente pela editora carioca 7letras. em 2016, recebeu uma bolsa de criação literária do programa de ação cultural da secretaria de cultura do estado de são paulo e foi à etiópia, procurando reconstituir as lembranças de seu pai de uma passagem pelo país em 1967. etiópia, escrito após aquela viagem, foi ganhador do prêmio alphonsus de guimaraens de 2018.
gabriel kogan
arquiteto e crítico, formado pela faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade de são paulo (fau-usp) em 2009. professor na escola da cidade e palestrante convidado na politécnico de milão (polimi, campus mantova). colabora com a folha de são paulo e escreveu nos últimos anos para veículos de imprensa brasileiros e estrangeiros tais como as japonesas a+u e ga house. em 2013, apresentou mestrado no unesco-ihe nos países baixos. entre 2007 e 2015, trabalhou como arquiteto no studio mk27. participou no anteprojeto do museu de minas e metal de paulo mendes da rocha em 2006 e da organização do arte/cidade de nelson brissac em 2005. integra o juri do troféu apca, associação paulista de críticos de arte (desde 2016).
márcio moraes valença
é professor titular do programa de pós-graduação em estudos urbanos e regionais e do programa de pós-graduação em arquitetura e urbanismo da ufrn. é pesquisador pq-1b do cnpq. é doutor (1996) e mestre (1990) pela university of sussex; é arquiteto pela ufpe (1982). foi professor visitante em várias instituições, como o the graduate center (cuny – the city university of new york, 2015), soas (londres, 2014), aa (londres, 2014), lse (londres, 1998-2000). é autor de mais de 50 artigos acadêmicos, publicados em revistas nacionais e no estrangeiro. publicou e organizou 14 livros, incluindo dois de ficção. seu livro autoral mais recente é arquitetura de grife na cidade contemporânea – tudo igual, mas diferente (mauad x, 2016). organizou o xviii enanpur, realizado em natal, em maio de 2019; é o presidente da anpur (associação nacional de pós-graduação e pesquisa em planejamento urbano e regional) para o período 2019-2021.

 

CATEGORIA FOTOGRAFIA DE ARQUITETURA E CIDADE

bebete viégas
formada em cinema, pós-graduada em fotografia e mestre em comunicação e semiótica. como fotografa de arquitetura, bebete viégas realiza trabalhos para escritórios como paulo mendes da rocha, una arquitetos, gonçalo byrne e álvaro siza. sua produção pode ser acompanhada em diversas publicações nacionais e internacionais. há mais de 10 anos, também atua como professora do bacharelado de fotografia do senac.
karoline maia
é cineasta, fotógrafa e montadora, formada em rádio e tv e co-fundadora da produtora pujança. codirigiu e escreveu as webséries cultura das bordas (2019), nossa história invisível (2019) e o curta-metragem do amor à cura (2019). atualmente produz seu primeiro longa como diretora e roteirista, o documentário aqui não entra luz (2020), filme que investiga a relação arquitetônica e histórica do quarto de empregada com a senzalaw.
mauro restiffe
fotógrafo, estuda cinema na faculdade de comunicação da fundação armando álvares penteado (faap), em são paulo, formando-se em 1993. neste ano, inicia suas exposições com a participação no 1º mês internacional da fotografia, no sesc pompéia, em são paulo. em 1994, recebe o prêmio estímulo de fotografia, concedido pela secretaria de estado da cultura de são paulo. estuda fotografia no international center of photography, em nova york, entre 1994 e 1995. nesse ano e nessa mesma instituição, participa da coletiva one year program students exhibitions. de volta ao brasil, expõe em diversas cidades brasileiras, como rio de janeiro (projeto macunaíma, 1997), salvador (6º salão mam-bahia, 1997) e goiânia (entre o eu e o mundo, 1999). é contemplado, em 2000, com a bolsa apartes, concedida pelo ministério da cultura (minc). neste mesmo ano, realiza suas duas primeiras exposições individuais, no espaço cultural sérgio porto, no rio de janeiro, e na galeria thomas cohn, em são paulo. em 2001, recebe dois prêmios, ambos em nova york: the louis comfort tiffany biennial award e rema hort mann art grant. entre 2001 e 2003, estuda no departamento de artes da universidade de nova york.

 

CATEGORIA PLATAFORMAS E SUPORTES TECNOLÓGICOS

ariane cor
atua na criação de projetos digitais desde 2004. é designer multimídia, gerente de projetos e ativista pela democratização do acesso à tecnologia. atualmente cursa ciências sociais na fflch-usp. em 2015 fundou o minas programam, para desafiar os estereótipos de gênero e de raça que influenciam nossa relação com as áreas de ciências, tecnologia e computação. a iniciativa promove oportunidades de aprendizado sobre programação para meninas e mulheres, priorizando àquelas que são negras ou indígenas e de regiões periféricas. em 2019 foi coautora do livro “inovação ancestral de mulheres negras – táticas e políticas do cotidiano”, lançado pela editora oralituras.
giselle beiguelman
é artista, curadora e professora livre-docente da fau-usp. é membro do laboratório para outros urbanismos (fau-usp) e do interdisciplinary laboratory image knowledge (humboldt-universität zu berlin). suas obras integram acervos de museus como zkm (alemanha), jewish museum berlin e pinacoteca de são paulo. recebeu vários prêmios nacionais e internacionais, com destaque para the top 50 (international media art award swr/zkm, 2003) e prêmio abca (associação brasileira dos críticos de arte, 2016). foi curadora do nokia trends (2007 e 2008), da mostra 3m de arte digital (2013) e de arquinterface: a cidade expandida pelas redes (2015). em 2014, integrou o grupo de 25 artistas internacionais convidados pelo the webby awards para a exposição the web at 25, comemorativa dos 25 anos da www. é autora de mais de 200 artigos sobre arte e cultura digital e de nomadismos tecnológicos: dispositivos móviles – usos masivos y prácticas artísticas (ariel/ fundación telefónica, 2011) e memória da amnésia: políticas do esquecimento (edições sesc, 2019).
tomás wissenbach
geógrafo, mestre em geografia humana pela usp e doutorando em administração pública e governo pela fgv-sp. possui 12 anos de experiência em gestão pública, indicadores e planejamento territorial, em diferentes órgãos da administração pública estadual (fseade e emplasa) e municipal (secretaria de planejamento, secretaria de desenvolvimento urbano e sp urbanismo). participou da elaboração do plano diretor estratégico da cidade de são paulo (2013-2014), exerceu a coordenação técnica do plano de longo prazo sp 2040 (2011-2012) e da agenda 2012 – plano de metas da cidade de são paulo (2009-2010). entre 2013 e 2016, como diretor do departamento de informações da secretaria municipal de desenvolvimento urbano, coordenou a implementação do geosampa – sistema de informações geográficas da cidade de são paulo.



CATEGORIA ESTUDANTES DE ARQUITETURA E URBANISMO

angélica benatti alvim
arquiteta e urbanista (faculdade de belas artes de são paulo, 1986), mestre e doutora em arquitetura e urbanismo (universidade de são paulo – fau / usp, 1996; 2003). desde 1991.  é professora, da faculdade de arquitetura e urbanismo da universidade presbiteriana mackenzie, onde atualmente exerce é titular e exerce o cargo de diretora. foi presidente da associação nacional de pesquisa e pós-graduação em arquitetura e urbanismo (anparq) – gestão 2015/2016. desde 2013, é bolsista produtividade em pesquisa cnpq. tem atuado como consultora na área de mobilidade urbana e planejamento. é autora de livros, capítulos e artigos em periódicos, com ênfase em ensino de arquitetura e urbanismo, projeto urbano, meio ambiente e mobilidade urbana.
fernanda neves
arquiteta e urbanista graduada pelo instituto de arquitetura e urbanismo da usp, premiada pelo iau-usp em 2018 com o prêmio mayumi watanabe de souza lima, que premia anualmente os melhores trabalhos de graduação integrados (tgis) do curso de arquitetura e urbanismo do iau-usp. entre outros projetos desenvolvidos durante a graduação, destacam-se os trabalhos com a comunidade do banhado em são josé dos campos-sp: cartografia social como ferramenta de participação popular e visibilidade territorial e monitoria em disciplina eletiva de extensão de regularização fundiária. hoje é arquiteta e urbanista na usina ctah, atuando na área de assessoria técnica a movimentos populares.
sheroll martins
formada em arquitetura e urbanismo a quase 10 anos. pós-graduação em habitação e cidade. trabalha atualmente junto ao mercado imobiliário, na área de projeto executivo. integrante do coletivo arquitetas negras.