OBRAS DE ARTE

Desde sua fundação em 1943 o IABsp sempre esteve muito vinculado as artes visuais e manifestações artísticas tendo abrigado inúmeras exposições, instalações, intervenções e performances ao longo das décadas. O próprio Edifício IAB incorpora este propósito e possui obras de arte de relevante valor artístico integradas a seus espaços, como o painel de Antonio Bandeira na entrada do edifício, o Mural-Objeto de Ubirajara Ribeiro localizado no primeiro andar, a escultura de Bruno Giorgi e o móbile “Black Widow” (Viúva Negra) de Alexander Calder – suspenso no salão principal do primeiro andar, com pé-direito duplo. Esta aproximação entre os campos das artes e arquitetura foram aspectos inclusive ressaltados nos pareceres de tombamento do Edifício IAB, pelos órgãos de proteção ao patrimônio cultural.

Além destes aspectos o Edifício IAB abrigou durante duas décadas, em seu subsolo, a sede do Clube dos Artistas e Amigos da Arte (CAAA) – também conhecido como “Clubinho” – que promovia encontros, apresentações, exposições, oficinas e reunia nomes fundamentais das artes visuais, literatura, arquitetura e música brasileira, como Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Oswald Andrade, Flávio de Carvalho, Di Cavalcanti, entre muitos outros.

Aproximações entre o IABsp e as artes visuais | pdf
História do Clube dos Artistas e Amigos da Arte (CAAA) | pdf


Foto: Rafael Schimidt
Black Widow (Viúva Negra)

Artista: Alexander Calder
Data: 1948
Dimensões: 350 cm x 200 cm
Técnica: Arame e metal pintado

A obra Black Widow (Viúva Negra) fez parte da primeira exposição de Alexander Calder no Brasil, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte de São Paulo, em 1948. Após estas exposições a obra foi doada pelo artista, por intermédio do arquiteto Rino Levi, ao Instituto dos Arquitetos do Brasil (IABsp) em 1954 para ocupar o salão principal do primeiro andar do edifício iab, espaço escolhido pelo próprio artista.

Pegar mais informações no catalogo da tate, descrevendo sobre a obra em si, dimensões, porte, importancia.

Recentemente a obra esteve presente em exposições retrospectivas sobre o artista nos espaços culturais da Tate Modern (Londres) e Fundación Proa (Buenos Aires). Além destas, a obra esteve exposta em são paulo, durante um período, no Itaú Cultural e hoje pode ser vista no IMS – Paulista.

Plano de gestão e conservação da obra | pdf
Jornal arquiteto (19XX) | pdf
Catálogo da exposição na Fundación Proa | pdf (apenas a capa e Páginas que mostram a viuva negra)
Catálogo da exposição no Tate Modern | pdf (apenas a capa e Páginas que mostram a viuva negra)
Vídeo da obra exposta no Tate Modern | link
Vídeo da obra exposta no edifício iab | link
Vídeo sobre a parceria com o IMS – Paulista | link


Foto: Rafael Schimidt Atleta em Descanso

Artista: Bruno Giorgi
Data: 1950 (?)
Dimensões: 85 cm x 66 cm x 55 cm
Técnica: escultura em bronze

A escultura foi doada ao IABsp pela galeria Ambiente em 1950.

Pegar mais informações com a pinacoteca (devem ter um texto a respeito)


Foto: Rafael Schimidt Sem título

Autor: Antônio Bandeira
Data: 1952
Dimensões: 235 cm X 358 cm
Técnica: pintura á óleo

Pegar mais informações com o instituto antonio bandeira. Falar que localiza-se na entrada do edificio iab. passou por um processo de restauro em XXXX (ano)


Foto: Rafael Schimidt
Mural-Objeto

Projeto: Ubirajara Ribeiro
Colaboração: Sergio Machado
Data: 1967
Dimensões: XXXXX
Técnica: XXXXX

Concebida com o propósito de integrar a manifestação artística e arquitetura, o mural-objeto possui caráter funcional – como divisor de espaços, originalmente separando as áreas do salão e cozinha do restaurante no primeiro andar do edifício iab – mas também preserva e mantêm as condições que a define como obra de criação artística.

As próprias funções vieram a determinar as formas como resultado lógico, e a um tratamento escultórico imprimido ao próprio material construtivo (concreto aparente) veio se juntar um elemento pictórico-narrativo que constitui o centro de interesse do muro.

Esta narrativa do elemento focal estabelece-se pelo uso da linguagem dos símbolos e seus significados, e estruturalmente pelo jogo modulado de volumes, espaços, cores e objetos variados onde o individual participa do coletivo.